Insulina em excesso pode matar?

No dia 05/11 o menino Joaquim Ponte Marques, de apenas 3 anos, despareceu de casa na cidade de Ribeirão Preto. No dia  10 o corpo do menino foi encontrado, os principais suspeitos do crime são o padrasto e a mãe do menino. Mas o que o caso do pequeno Joaquim tem a haver com ciência? O menino era diabético e existe uma forte suspeita que ele tenha sido morto por excesso de insulina.

A diabetes mellitus é uma doença que afeta cerca de 12% da população brasileira. Ela se caracteriza por aumento de glicose no sangue (glicemia) e causa várias complicações que podem levar a morte. No Brasil, só em 2010, foram 28 óbitos/100.000 habitantes causados por diabetes.

Antes de começarmos a falar da insulina e diabetes precisamos entender como o nosso organismo regula a quantidade de glicose (açúcar) no sangue e porque esse controle é tão importante.

Como o corpo controla os níveis de açúcar no sangue?

Nossas células precisam de glicose para produzir energia. A glicose entra nas nossas células por transportadores, que são proteínas que agem como se fossem guindastes, eles pegam a glicose que está no sangue e colocam para dentro da célula. Em algumas células esses transportadores trabalham sozinhos, basta ter glicose no sangue para que eles a  transporte para dentro das células, esse é o caso dos neurônios, por exemplo. No entanto, em algumas células esse transportador só consegue transportar a glicose se tiver insulina. A insulina funciona como uma chave que ativa o transportador/guindaste, para que ele possa então colocar glicose para dentro da célula. Esses transportadores que precisam de insulina para funcionar estão presentes principalmente nos músculos.

Quando comemos algo que contém açúcar ou carboidrato (que é um polímero de açúcar!) o nosso organismo faz com que durante a digestão tudo isso vire moléculas de glicose. A glicose é absorvida no intestino e assim chega na nossa corrente sanguínea. Quando a quantidade de glicose aumenta no sangue o nosso pâncreas libera insulina, para que a glicose possa ser transportada para dentro das células e também para diminuir sua quantidade no sangue.

Altas concentrações de glicose no sangue são tóxicas para o nosso corpo, por isso a insulina tem o importante papel de regular essa concentração. Quando comemos açúcar demais e as células não usam tudo para produzir energia a insulina indica que a glicose deve ser estocada, seja na forma de glicogênio ou na forma de gordura.  Quando a concentração de glicose no sangue diminui, a quantidade de insulina também diminui.

Então a insulina possui duas funções importantes no nosso corpo: regular a concentração de glicose no sangue e fazer com que alguns tecidos, como o músculo, possam absorver glicose.

insulina 4

O que é diabetes?

A diabetes é caracterizada pelo aumento da concentração de glicose no sangue. Existem dois tipos principais de diabetes:

Diabetes tipo 1: o aumento de glicose no sangue é causado porque o pâncreas para de produzir insulina. Esse tipo da doença ocorrem em indivíduos jovens, geralmente na infância. O tratamento é feito com a administração de insulina para controle das taxas de açúcar no sangue. Era esse tipo de diabetes que o menino Joaquim tinha.

Diabetes tipo 2: conhecida como “resistência a insulina”, o aumento de glicose é causado porque as células ficam insensíveis a insulina. Nesse caso o pâncreas produz muita insulina, mas ela não consegue exercer sua função. Após um tempo produzindo muita insulina é como se o pâncreas fica-se “exausto” e vai parando gradativamente de produzi-la. Esse tipo de diabetes é mais comum em pessoas mais velhas, acima de 40 anos, e está relacionado com a obesidade. O tratamento pode ser feito com outros medicamentos além da insulina, que é utilizada em casos mais avançados.

Ainda existe um tipo de diabetes que ocorre durante a gravidez, chamada de diabetes gestacional que desaparece após o nascimento do bebê.

Por que a diabetes causa tantos problemas?

Porque, como eu disse antes, concentrações altas de glicose no sangue são toxicas para o nosso organismo. Se a diabetes não é controlada, a quantidade de açúcar fica muito alta e esse excesso que glicose causa: lesões em vasos sanguíneos pequenos que leva a gangrena principalmente nos pés, dificuldade de cicatrização, morte de pequenas terminações nervosas causando perda de sensibilidade nas extremidades, lesão no nervo óptico que causa cegueira, aumento no risco de infecções complicadas porque o sistema imunológico não funciona bem, aumento no risco de ataque cardíaco, aumento no risco de AVC (acidente vascular cerebral), problemas renais já que os rins ficam sobrecarregados tentando excretar o excesso de glicose, e outras complicações.

Um problema gravíssimo causado pela diabetes não controlada é o chamado coma hiperglicêmico (alta taxa de glicose). Ele ocorre porque sem insulina os músculos  e outros órgãos não conseguem absorver glicose, por isso eles acabam usando gordura e proteínas para obterem energia. Só que quando o músculo faz uso de gordura para produzir energia ele acaba produzindo ácidos que levam a queda do pH do sangue, o que induz coma. Se não for feito socorro médico a tempo o coma hiperglicêmico leva a morte.

Por que o excesso de insulina pode matar?

Bem, você já sabe como a insulina controla a quantidade de glicose no sangue. Então vamos pensar juntos: se tiver uma quantidade maior de insulina do que seria necessário comparado com a quantidade de glicose no sangue, o que vai acontecer? A glicose no sangue vai cair muito e a pessoa entra em hipoglicemia (baixa quantidade de glicose no sangue). Muito bem, mas por que a falta de glicose no sangue é prejudicial? Ahãm! Essa eu não tinha explicado! Lembra que os neurônios não precisam de insulina para absorverem glicose? Então, além disso os neurônios usam somente  glicose para produzir energia, eles não são como o músculo que pode usar gordura e proteína. Assim, se a quantidade de glicose no sangue baixa muito o cérebro não consegue funcionar direito. Quando a concentração de glicose começa a cair os primeiro sintomas são tontura, tremores e sono. Esses sintomas vão piorando a medida que a quantidade de glicose vai diminuindo, chegando até a indução de convulsões, coma e morte.

A hipoglicemia é comum em diabéticos, especialmente na diabete tipo 1. Porque é difícil ajustar a quantidade exata de insulina a ser administrada conforme o que se come de glicose. Também ocorre queda de glicose quando o diabético gasta mais glicose que pensava, como no exercício físico. Por esse motivo, quem faz uso de insulina deve sempre monitorar os níveis de glicose, com aqueles aparelhos de fitinhas, para adequar a dose de insulina. Quando sente os primeiros sintomas de hipoglicemia o diabético deve consumir glicose de rápida absorção como balas e doces por exemplo.

Entendeu porque o excesso de insulina pode ser responsável pela morte do menino Joaquim? Se administrada em doses altas ( seja acidentalmente ou intencionalmente) a insulina induz queda na concentração de glicose produzindo falhas no funcionamento do cérebro, levando a coma e a morte. A perícia deve indicar a causa da morte do menino, ainda que conforme já avisado pela perícia, não será possível saber se a concentração de insulina estava alta no momento da morte. A insulina é rapidamente metabolizada no organismo e mesmo após morte cerebral, por exemplo,  o organismo segue degradando a insulina. No entanto existem outros indicadores que poderão indicar as causas da morte do menino. Esses casos de violência contra criança sempre são complicados e revoltantes. A gente fica se perguntando como é possível algo assim acontecer. O que resta e esperar as investigações e torcer que os culpados sejam julgados pelos crimes.  

Teria mais mil coisas para falar sobre diabetes, quem sabe em outro post. O que você acha? Se ficou com alguma dúvida ou tem uma sugestão escreve pra gente!

  1. Para saber mais sobre diabetes –> http://bbc.in/I0lJmDhttp://bit.ly/1av2YCwhttp://bit.ly/1iw7SCz
  2. Imagem adaptada de BBC Science/2013